Senador e deputado federal aguardam decisão da PGR sobre investigações da PF; outro Coelho pode ser candidato ao Governo


Vinícius Sobreira - Brasil de Fato | Recife (PE) / Foto: Divulgação/Prefeitura de Petrolina

No dia oito de junho a Polícia Federal apresentou à Procuradoria Geral da República (PGR) uma investigação contra o senador pernambucano Fernando Bezerra Coelho (MDB). De acordo com a PF, a denúncia apresenta indícios de que o senador teria recebido R$10,4 milhões em propinas pagas pelas empreiteiras OAS, Barbosa Mello e Constremac entre os anos 2012 e 2014, quando Bezerra Coelho era ministro da Integração Nacional no governo Dilma Rousseff. Os valores teriam sido pagos como compensação por contratos conquistados pelas construtoras junto ao ministério.


O deputado federal Fernando Bezerra Coelho Filho (DEM), filho do senador, também foi indiciado. Ambos acusados de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica. Na denúncia a PF pede que sejam bloqueados R$20 milhões nas contas de ambos. A defesa conjunta dos FBC pai e filho alega que a investigação é uma “tentativa de criminalizar a política” e que as acusações são fruto de “mentiras contadas por um criminoso confesso”, que no caso seria o empresário pernambucano João Carlos Lyra, preso em 2016 na Operação Turbulência. Saiba Mais


Edição: Monyse Ravena – Rede Brasil de Fato / Web Rádio e TV Muira-Ubi

Deixe seu Comentário